Quando falamos de liturgia não estamos falando de ontem. Atrás de nós existem dois mil anos de liturgia cristã e mais de um milênio de liturgia judaica, que influenciou diretamente o culto cristão. Jesus e seus discípulos praticavam o culto judaico. As primeiras comunidades cristãs participaram por um tempo da sinagoga. Logo seria natural uma influência judaica no culto cristão.

A adoração vem se tornando, nos últimos anos, um dos eixos principais das liturgias em nossas igrejas. A fórmula litúrgica que privilegia os cânticos de adoração como maior parte do culto tem sido apresentada por vertentes da igreja evangélica ligadas aos movimentos missionais e de contemporaneidade do culto e da pregação.

Com o lançamento de nosso aplicativo, irmãos e irmãs têm entrado em contato para enviar suas meditações para publicação. Visando normatizar a escrita nesta seção do Portal e do Aplicativo, apresentamos as regras para publicação de textos nesta seção:

Em 12/11/2016 o Sínodo Reverendo Jonas Dia Martins se reuniu com as comissões executivas de seus três presbitérios: Presbitério Norte do Paraná, Presbitério de Londrina e Presbitério Paranaense, juntamente com alguns irmãos e líderes de nossas igrejas locais, para um dia de reflexão e planejamento de nossa caminhada como igreja na região.

“Ao completar cinco anos de existência, o Sínodo marca, com este Encontro e o Programa e Revitalização, uma mudança na sua trajetória e na história das igrejas de nossa região”. Pb. Odilon Pereira

Concede Senhor morada no céu e na terra aos quilombolas do Brasil é o tema da Semana Nacional de Oração pelos Quilombolas que acontece de 20 a 26 de novembro. O texto base da campanha é “Os céus são os céus do Senhor; mas a terra a deu aos filhos dos homens.” (Salmos 115.16)

Em culto realizado no templo da 1ª Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo, na noite de 8 de novembro de 2017, a SBB - Sociedade Bíblica do Brasil lança a Nova Almeida Atualizada - Uma tradução clássica com linguagem atual. 

Leia na íntegra entrevista feita com o Diretor do Dept. de Teologia e Missão da AIPRAL, Rev. Paulo Câmara M. P. Júnior, com a finalidade de divulgar a proposta de se celebrar uma mesma liturgia no próximo domingo. Compreenda a importância desta ação da AIPRAL, além de obter maiores detalhes sobre o material.

Deus está dando à nossa geração o privilégio de celebrar os 500 anos da Reforma Protestante, iniciada por Martinho Lutero em 1517.

Quando os justos governam, o povo se alegra, mas quando o ímpio domina, o povo geme.
Quem é cumplice de ladrão odeia a si mesmo, e não denunciará nada, mesmo sob juramento.
Pv 29.2,24 (Almeida Séc. 21)

Estamos iniciando um novo ano, e, com ele, as esperanças se renovam para que seja bem melhor que o ano ora findo. Com certeza, 2016 para muitos não deixará saudades. Os acontecimentos políticos, as dificuldades econômicas agravadas, o aumento do desemprego, desastres de toda sorte, eleições e decepções políticas, a desconfiança acentuada nas instituições, as mortes de famosos e inocentes, atentados terroristas, enfim a lista é grande, fazem de 2016 um ano com memórias negativas. Talvez pudéssemos enumerar poucos acontecimentos que nos trarão saudades. Contudo não podemos deixar de perguntar: a simples mudança do ano fará que as coisas mudem por si mesmas? Que temos pela frente no próximo ano além da esperança que visualizamos no nosso horizonte? Em 2017 estaremos celebrando os 500 anos da Reforma Protestante. Quais os significados dessa data? Antes de tentar responder essa questão, vamos rememorar alguns fatos.

Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. 1 João 4:7-8

Grade Lista

A Secretaria Geral enviou aos presidentes e secretários executivos de todos os presbitérios, ofício com uma série de orientações para  suas reuniões ordinárias.

Grade Lista

Cremos na Santa Trindade, que é modelo de comunhão, unidade e amor. Cremos no Deus Pai, criador dos céus e da terra e de todos os seres humanos. Cremos em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor e Salvador, que traz boas notícias aos pobres, liberdade aos cativos, vista aos cegos, libertação aos oprimidos e perdão para os nossos pecados. Cremos no Espírito Santo derramado sobre filhos e filhas, moços e velhos, servos e servas. Cremos na Igreja, família da fé, que abriga, acolhe e promove uma espiritualidade fundamentada na graça de Deus, que traz vida em plenitude, segundo as Escrituras Sagradas. Cremos como nossa missão, a proclamação do Evangelho do Reino de Deus, para paz, justiça, liberdade e solidariedade entre todos. Amém.

Cremos em um só Deus, Pai Onipotente, criador do céu e da terra, e de todas as coisas, visíveis e invisíveis. Cremos em um só Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito de Deus, gerado do Pai antes de todos os tempos, Deus de Deus, Luz de Luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus, gerado, não feito, do mesmo ser com o Pai, por meio do qual todas as coisas foram feitas; o qual, por nós e pela nossa salvação, desceu do céu, e se encarnou do Espírito Santo e da virgem Maria, e se tornou verdadeiramente humano. Foi por nós crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu, e foi sepultado, e ao tercceiro dia ressuscitou, segundo as escrituras; subiu ao céu e está sentado à direita do Pai. Virá de novo com glória a julgar vivos e mortos, e o seu reino não terá fim. Cremos no Espírito Santo, o Senhor, o Doador da vida, o que procede do Pai e do Filho, o qual juntamente com o Pai e o Filho é adorado e glorificado, o qual falou através dos profetas. Cremos na Igreja una, santa, católica* e  apostólica. Reconhecemos um só batismo para remissão dos pecados. Esperamos a ressurreição dos mortos e a vida do mundo vindouro. Amém.

* Aqui, a palavra “católica” não está se referindo à instituição religiosa de mesmo nome. Neste caso, o vocábulo é utilizado como sinônimo da igreja que está sobre o mundo todo, e hoje, não seria possível fazer uso dos sinônimos “universal” ou “mundial”, em detrimento da palavra “católica”, pois também são nomes de instituições religiosas. Veja Confissão de Fé de Westminster, capítulo XXV 1, 2, 3 e 4

Creio em Deus, Pai Todo Poderoso, criador dos céus e da terra. E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo. Nasceu da virgem Maria, padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao Hades; ressuscitou ao terceiro dia; subiu ao céu, e está sentado à mão direita de Deus Pai Todo Poderoso, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo; na santa igreja católica*; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; e na vida eterna. Amém.

* Aqui, a palavra “católica” não está se referindo à instituição religiosa de mesmo nome. Neste caso, o vocábulo é utilizado como sinônimo da igreja que está sobre o mundo todo, e hoje, não seria possível fazer uso dos sinônimos “universal” ou “mundial”, em detrimento da palavra “católica”, pois também são nomes de instituições religiosas. Veja Confissão de Fé de Westminster, capítulo XXV 1, 2, 3 e 4

O presente texto é extraído de BETTENSON, Henry. Documentos da Igreja Cristã, São Paulo: ASTE/SIMPÓSIO, 1998, p. 61, 62