Os cinco solas da Reforma Protestante

Palavra da Diretoria
Tipografia

Deus está dando à nossa geração o privilégio de celebrar os 500 anos da Reforma Protestante, iniciada por Martinho Lutero em 1517.

Tive o privilégio de participar das celebrações oficiais da Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMIR), na Alemanha, no mês de julho de 2017. Foram várias celebrações nas cidades de Leipzig, Berlim e Wittemberg. Nesse período li e ouvi muita coisa sobre o tema. Uma nova releitura sobre a relevância da Reforma para os nossos dias tem sido feita e isso é extremamente necessário e urgente. No entanto, não é isso que me proponho neste texto, pois, num breve resumo, quero trazer à memória os principais pontos históricos, considerados como os fundamentos da Reforma Protestante do Séc. XVI, conhecidos como os Cinco Solas. Vejamos: 

1. Soli Deo Gloria (Glória Somente a Deus) – Este é um dos pilares da Reforma Protestante, afirmando que o homem foi criado para a glória de Deus. Fomos criados para dar glória a Deus em tudo que fazemos e destinados à glória de Deus. O plano de eterno de salvação dos homens já contemplava a glória de Deus (Ef 1.4-6). Soli Deo Gloria é o princípio pelo qual toda glória é dada a Deus no processo de salvação, mas também que, durante nossa vida neste mundo, nenhum ser humano é digno de glória. A vida do cristão é vivida diante de Deus e sob sua autoridade. Isso é para a glória de Deus. “A ele seja a glória eternamente! Amém”. Romanos 11.36;

2. Sola Fide (Somente a Fé) – A salvação é um presente que Deus nos dá e isso se efetiva somente por meio da fé, jamais pelas obras humanas. Lutero compreendeu que não eram as penitências, sacrifícios ou compra de indulgências que podiam livrar o homem da condenação eterna, mas a graça de Deus, através da fé (Ef 2.8). Após meditar no texto de Rm 1.17, que diz: “O justo viverá da fé”, Martinho Lutero percebeu que a justiça de Deus nessa passagem, é a justiça que o homem piedoso recebe de Deus, pela fé, e não uma conquista humana; 

3. Sola Gratia (Somente a Graça) - O Salmista Davi numa oração de profunda busca por Deus, declara: Porque a tua graça é melhor que a vida; os meus lábios te louvam (Sl 63.3). Sim, a graça de Deus é a única ponte que cruza o abismo entre a depravação total do ser humano e a casa do Pai, onde Jesus foi preparar-nos lugar. Ninguém pode ser salvo por mérito próprio, por obras, penitências, sacrifícios ou compra de indulgências. Somente pela fé o ser humano pode ser salvo. E até mesmo a fé, que habilita o ser humano a receber o dom da graça, é dado por Deus (Ef 2.8). Nenhuma obra, por mais justa e santa que possa parecer, poderá dar ao homem livre acesso a salvação e ao reino dos céus. Isso somente ocorrerá pela graça de Deus. "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se gloria". Ef 2.8 e 9;

4. Solus Christus (Somente Cristo) - Sobre este tema, a Declaração de Cambridge diz: Reafirmamos que nossa salvação é realizada unicamente pela obra mediatória do Cristo histórico. Sua vida sem pecado e sua expiação por si só são suficientes para nossa justificação e reconciliação com o Pai. O homem nada poderá fazer para sua salvação, pois Jesus Cristo realizou a obra da redenção ao ser sacrificado na cruz do calvário, vertendo o seu sangue como sacrifício por nossos pecados. "E não há salvação em nenhum outro: porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dentre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos" At 4.12;

5. Sola Scriptura (Somente as Escrituras) - Nós, os cristãos reformados cremos que as Escrituras Sagradas são a única regra de fé e de prática. É isso que lemos em 2 Tm 3.16-17: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra". Entendemos que as tradições, as bulas, as decisões dos concílios e os escritos papais não possuem autoridade e não podem servir de instrumento de fé e prática para o rebanho de Cristo. Somente as Escrituras Sagradas estão habilitadas para isso. Elas foram escritas por homens inspirados por Deus, são instrumentos de revelação da vontade de Deus para nossa vida. Ao lêla somos iluminados pelo Espírito Santo para entendê-la. “Não são as experiências que julgam a bíblia, mas a Bíblia que julga as experiências. A igreja não está acima da Palavra, mas é governada por ela” (Rev. Hernandes Dias Lopes). Martinho Lutero escreve: "Então, achei-me recém-nascido e no paraíso, toda as Escrituras tinham para mim outro aspecto, perscrutava-as para ver tudo quanto ensinam sobre a justiça de Deus".

Celebrar os 500 anos da Reforma Protestante é mais que um evento em nossa agenda eclesiástica; é retornar aos seus princípios originais, assim como os reformadores voltaram à doutrina dos apóstolos, as quais eram baseadas na Palavra de Deus. É tempo de resgatar, também, o lema dos reformadores: Igreja reformada sempre se reformando.


Rev. Agnaldo Pereira Gomes
Pastor da Quarta IPI de Sorocaba
1º Vice-Presidente da IPI do Brasil Presidente da AIPRAL